artes plásticas » textos  
   



 

LUGAR PARA PLANTAR

Os jardins são associados, no inconsciente coletivo, a um complexo
sistema simbólico com dimensões filosóficas, místicas e políticas. Dos
jardins suspensos da Babilônia, passando pelos jardins renascentistas,
orientais, até os atuais quintais urbanos, esses espaços organizam e
incluem elementos do mundo vegetal em uma estrutura artificial pensada
pelo homem. Talvez seja por essa qualidade de meio-termo entre
o homem e a flora que o jardim constitui um ambiente tão privilegiado
para reconexão e redescoberta da natureza e seus ciclos, mas também
um lugar que acentua a propensão à interioridade, incitando uma deriva
pelos caminhos do imaginário e das memórias. Como se a vivência do
jardim, reminiscência distante mas onipresente do paraíso, interviesse
como convite ao regresso a uma experiência mais verdadeira e simples.
Por essa faculdade de reaproximar o homem tanto da natureza física
como da sua própria essência, o jardim poderia ser entendido como um
agente que suscita reflexões acerca de diferentes aspectos de sua vida.
Não é por acaso que a artista e educadora Stela Barbieri adota o jardim
em sua obra-oficina Lugar para plantar .


Realizada especialmente para o Sesc Osasco, a proposta insere-se no Projeto Lugares, um conjunto de obras-oficinas idealizadas para diferentes unidades do Sesc São Paulo e que incita a interação direta com o visitante, cada vez com uma abordagem distinta. Se os outros espaços confeccionados por Stela Barbieri nessa série são fruto de considerações sobre parâmetros próprios da cultura, como a questão da leitura ou da arquitetura, Lugar para plantar propõe um encontro singelo com a natureza, da qual estamos cada vez mais afastados em meio urbano. Essa desconexão e esse afastamento característicos da
contemporaneidade, somados aos nossos cotidianos marcados pela ânsia de produtividade, pela alienação induzida por uma virtualização progressiva das relações interpessoais e de trabalho, são causa de desajustes, mesmo que inconscientes.


A área externa gramada do Sesc Osasco, pontuada por árvores frutíferas
e vasos com plantas de diversas espécies, é ocupada por algumas mesas e prateleiras com sementes, diversas ervas e flores. Como se estivessem em um laboratório, os visitantes, tanto adultos quanto crianças, são convidados a manusear essas sementes, plantá-las em vasos que estão à disposição, manipulá-las para formar composições ou mandalas, sendo assim estimulados a observar com cuidado, tocar, sentir, enfim, a parar por um instante e estar presentes. A instalação também chama a atenção para os ciclos de regeneração perpétua das plantas, passando do nascimento, da maturação e da morte até uma transformação e, assim, apontando para uma alternativa à temporalidade linear e unidirecional que rege nossas vidas. Nesse dispositivo serão organizados ateliês e seções de leituras de histórias, todas elas voltadas a esse retorno existencialà natureza, mesmo que fabricada, passada pelo filtro do homem na forma de um jardim.


O conceito do jardim, além de protagonista da proposta educativa dessa
obra-oficina, também é uma metáfora relevante para abordar o conjunto
da obra de Stela Barbieri. Efetivamente, além de o mundo vegetal sempre
ter sido uma fonte de inspiração para a artista, o jardim, por ser um híbrido
entre o autêntico e o artificial, a natureza e a cultura, encarna a ideia de
uma dialética entre duas extremidades, dinâmica que também é inerente
a vários trabalhos da artista.


Depois de um início de carreira em pintura, Stela Barbieri dirigiu o seu foco
para a experimentação com materiais e suas texturas. O pigmento da tinta
que antes era aplicado na tela passou a tingir líquidos contidos em recipientes
de vidros ou em plásticos, ou a impregnar formas irregulares em
látex ou lã. Em esculturas precárias e orgânicas, essa confrontação entre
estados líquidos e sólidos denota uma condição frágil de impermeabilidade,
em que um elemento fluido é contido, mas a qualquer momento, e às
vezes de fato, infiltra-se, transpassando o seu receptáculo. É o caso por
exemplo de Sem Título ("Ampulheta"), em que dois plásticos são pregados
à parede contendo sementes de urucum que tingiram de vermelho o
óleo que pinga de um plástico para o outro, suscetíveis de ceder ao peso.
Se essas obras esculturais, realizadas nos anos 1990, já apresentavam
certa autonomia em relação ao formato da pintura, elas ainda eram
fixadas à parede. Progressivamente, as experimentações de Stela Barbieri
autonomizaram-se, e a artista buscou realizar instalações de maior escala,
como é o caso de Circuito de Narrativas Líquidas realizado em 2013. Nessa
instalação, estruturas metálicas são o suporte para uma série de vidros e
mecanismos que ora retêm, ora fazem circular um líquido de cor laranja,
em uma condição de constante movimento e transformação.


Para além da sua proposta educativa, a obra-oficina de Stela Barbieri propõe,
de maneira mais sutil e indireta, retomar vários aspectos-chave da sua
produção, em um momento mais introspectivo e reflexivo de sua trajetória.
Primeiramente, Lugar para plantar dá continuidade às instalações de
grande porte realizadas nos últimos anos e precede alguns projetos em
espaços públicos. Em seguida, a referência direta à natureza em um contexto
urbano reitera um binômio transversal na obra da artista: sólido e rígido/maleável e fluido. Enfim, a importância da maquete no processo de
realização desse trabalho, assim como a relação entre as escalas micro e
macro, também é uma constante na produção artística de Stela Barbieri.
Tal como o jardim, historicamente associado à representação da totalidade
do cosmos em miniatura, a experiência da obra-oficina é uma metáfora:
trata-se de semear, plantar, e cultivar sementes para a vida.


Olivia Ardui

português | english créditos